• Andressa Kiosz

SBCP lança campanha digital de combate à Fake News

Atualizado: há 3 dias

Com o objetivo de conscientizar a população sobre os riscos de realizar procedimentos estéticos invasivos com profissionais não qualificados e sempre preocupada com a segurança do paciente, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) lança em suas redes sociais e canais de comunicação, a campanha “Cirurgia Plástica: não existe milagre. Existe ciência, responsabilidade e especialização!”. 


Com o conteúdo baseado em publicações abusivas de não médicos ou não especialistas, que fazem propagandas de procedimentos estéticos como se fossem objetos simples de consumo e acompanhando os crescentes casos de deformações em pacientes, muitos deles indo a óbito, a SBCP quer orientar a população sobre como identificar as fake news espalhadas principalmente pela internet.


Resultados milagrosos como são divulgados na internet, os famosos “antes e depois”, não existem. “Além de ser uma conduta proibida a médicos, os profissionais que realizam indevidamente certos procedimentos, expõem pacientes com o uso de imagens não apropriadas e ainda espalham fake news com o intuito de seduzir novos clientes com promessas irreais, sem o mínimo de preocupação com a segurança do paciente”, afirma o presidente da SBCP, Dr. Dênis Calazans. Ele explica o posicionamento da Sociedade em criar a campanha: “É necessário que a população entenda como deve ser a verdadeira publicidade médica, feita com responsabilidade e ética. Para que ninguém mais caia em propagandas enganosas colocadas nas redes sociais”, alerta.


Metade do sucesso de um procedimento médico está na boa relação médico-paciente. “A escolha do profissional que fará o procedimento deve ser criteriosa. É importante estar atento à formação, ao currículo e conhecer a carreira deste profissional. Essas informações não são conseguidas, pelo menos com credibilidade, apenas por meio de redes sociais”, alerta o presidente da SBCP. Ele complementa que em suas redes sociais ou sites, cada um pode se apresentar como quer, existindo, inclusive, muitos perfis falsos.


Outro fator importante para a segurança do paciente é onde será realizado o procedimento. Muitas complicações têm relação direta com a escolha do local, que deve ser certificado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e possuir todos os equipamentos e recursos para as intercorrências que, porventura, possam acontecer. O paciente deve colher o máximo de informação sobre o local em que realizará o procedimento.





Fonte: SBCP