• Andressa Kiosz

Coronavírus, gripe e dengue ao mesmo tempo, e agora?

Atualizado: Abr 3

Falamos um pouco sobre coronavírus em postes anteriores, falamos também da importância da vacinação contra o Influenza , mas estamos em um período propício a mais uma doença, a Dengue.


O que assusta as autoridades e os especialistas é que, por si só, o coronavírus já vai representar nos próximos meses um teste dificílimo para o sistema de saúde. A sobreposição com outras doenças pode tornar o quadro ainda mais dramático.


Não podemos deixar de lado a Dengue, então vamos esclarecer alguns conceitos sobre essa patologia. Dengue é uma doença febril grave causada por um arbovírus. Arbovírus são vírus transmitidos por picadas de insetos, especialmente os mosquitos. Existem quatro tipos de vírus de dengue (sorotipos 1, 2, 3 e 4). Cada pessoa pode ter os 4 sorotipos da doença, cada tipo apresenta um quadro diferente de resposta imune.


Todas as faixas etárias são igualmente suscetíveis, porém as pessoas mais velhas têm maior risco de desenvolver dengue grave e outras complicações que podem levar à morte. O risco de gravidade e morte aumenta quando a pessoa apresenta alguma doença crônica, como diabetes e hipertensão, mesmo tratados.


O transmissor (vetor) da dengue é o mosquito Aedes aegypti, que precisa de água parada para se proliferar. Os períodos do ano com maior transmissão são os meses mais chuvosos de cada região, mas é importante manter a higiene e evitar água parada todos os dias;

pois pasmem, ovos do mosquito podem sobreviver por um ano até encontrar as melhores condições para se desenvolver. Como estamos em uma região com chuvas sazonais, isso significa que teremos coronavírus, influenza e pico de dengue. Estamos com três epidemias simultâneas. Aproveitem que estão em casa e limpem o quintal, eliminem focos de dengue e vacinem-se conforme o calendário.


Quais são os sintomas da dengue?

Os principais sintomas da dengue são:

-Febre alta > 38.5ºC.

-Dores musculares intensas.

-Dor ao movimentar os olhos.

-Mal estar.

-Falta de apetite.

-Dor de cabeça.

-Manchas vermelhas no corpo.


Na fase febril inicial da dengue, pode ser difícil diferenciá-la. A forma grave da doença inclui dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes e sangramento de mucosas. Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados.


Dengue tem cura?

A dengue, na maioria dos casos, tem cura espontânea apos 10 dias.


Como é feito o diagnóstico da dengue?

O diagnóstico da dengue é clínico e feito por um médico. É confirmado com exames laboratoriais de sorologia, de biologia molecular e de isolamento viral, ou confirmado com teste rápido (usado para triagem). Em caso de confirmação da doença, a notificação deve ser feita ao Ministério da Saúde em até 24 horas.


Como é feito o tratamento da dengue?

A assistência é feita para alivio dos sintomas. Estão entre as formas de tratamento:

-fazer repouso;

-ingerir bastante líquido (água);

-não tomar medicamentos por conta própria;

-a hidratação pode ser por via oral (ingestão de líquidos pela boca) ou por via intravenosa (com uso de soro injetável);

-o tratamento é feito de forma sintomática, sempre de acordo com avaliação do profissional de saúde, conforme cada caso.


Como prevenir a dengue?

A melhor forma de prevenção da dengue é evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, eliminando água armazenada que pode se tornar possível criadouro, como em vasos de plantas, lagões de água, pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso e sem manutenção, e até mesmo em recipientes pequenos, como tampas de garrafas.

Roupas que minimizem a exposição da pele durante o dia - quando os mosquitos são mais ativos - proporcionam alguma proteção às picadas e podem ser uma das medidas adotadas, principalmente durante surtos. Repelentes e inseticidas também podem ser usados, seguindo as instruções do rótulo. Mosquiteiros proporcionam boa proteção para aqueles que dormem durante o dia, como bebês, pessoas acamadas e trabalhadores noturnos.


No momento, só existe uma vacina contra a dengue registrada na Anvisa, que está disponível na rede privada. Ela é aplicada em 3 doses com intervalos de 1 ano e só deve ser aplicada, segundo o fabricante, a OMS e a ANVISA, em pessoas que já tiveram pelo menos uma infecção por dengue. Esta vacina não está disponível no SUS, mas o Ministério da Saúde acompanha os estudos de outras vacinas.


Fonte: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/dengue






41 visualizações